Sabe? Eu não.
"Eu tenho muita vontade, muita vontade mesmo, de chegar na sua frente, olhar nos teus olhos e ouvir da tua boca que já passou, que tá tudo bem. Eu só preciso saber disso para seguir em frente. Eu só preciso de um balde de água fria para acordar.”
— Anne Sakamoto
"Eu não me importo se é cinema, parque ou sessão da tarde. Com você eu topo tudo. Com você eu vou à Marte.”
— Anne Sakamoto
"Eu gosto de pessoas quietas, que falam baixinho, abraçam apertado e têm risada engraçada. Eu gosto de gente que fica sem graça ao receber elogio, que sorri de lado e que também cora. Eu gosto de gente que guarda segredo, que diz que tem medo, que anda desengonçado, que anda ao meu lado.”
— Anne Sakamoto
"Eu sou o CD que você não gostou da capa, o livro que você parou a leitura e o restaurante que você se cansou do cardápio. Eu sou o conhecido do mercado que você finge não ver, o vegetal que você rejeita no almoço e a música, da sua própria playlist, que você faz questão de passar. Eu sou a risada que você cansou de ouvir, o sorriso que você cansou de ser o motivo e a piada velha que nunca teve graça.”
— Anne Sakamoto
"Se você quiser ir, eu te entendo. Sabe, até eu tenho vontade de sair de mim.”
— Anne Sakamoto
"Porque no fundo, bem lá no fundo, eu só quero mesmo alguém pra dividir o domingo. Pra dividir todos os domingos.”
— Anne Sakamoto
"E te contar de todo amor que neguei por medo do futuro, dos parentes, dos amigos, e de toda a angústia que engoli porque minha boca era pequena demais pra gritar coisas muito grandes. Te dizer sobre os dias inúteis e parados em que você era o completo pensamento, sobre sua nuca distante, sua barriga, seus braços, sobre minha pele procurando a sua pele, porque essas coisas são tão incontroláveis que nem espaço ou tempo alteram. Te contar do medo que eu sentia de me afundar num mar de lágrimas que se formaria, outro dia, mais um dia, ao redor da minha cama, caso eu não tivesse tido aquele sonho, em que você vinha num dia de domingo com várias sacolas nas mãos, com vários livros dentro das sacolas, com várias histórias dentro dos livros, com qualquer desculpa muito ridícula pra eu ficar nervoso ao invés de rir. Te dizer do sabor, do gosto, que eu senti muitas vezes, que eu dormi pra tentar eternizar na boca que era completamente muda. Do sabor de uma noite que havia sido muito boa, tanta coisa pra guardar, enquanto o dia tinha vindo muito rápido e não havíamos tido sequer tempo de dizer: fique bem, por favor, fique bem. Sou meio fraco, te dizer desses segredos que são mais de liquidificador que os da música do caju. Fraco feito uma nuvem, uma coisa que vai reta, uma formiga ínfima, uma criança, uma coisa bonita, um dia, um riso, uma nota muito alta, o show dum cantor que se gosta, fraco no sentindo mais exato da palavra fraqueza: fraco em ser forte com coragem.”
— Circos.  
"Ele foi a pessoa certa no momento certo.”
"Vai ver você tá bem, já com um outro alguém e nem lembra mais de mim. Vai ver pra você nem foi tudo aquilo que foi pra mim.”
— Anne Sakamoto
"Eu queria tanto que você ligasse, que dissesse que tá com saudade e que cruzaria a cidade só pra me ver. Eu queria que ainda fosse cedo, para que ainda houvesse tempo e quem sabe desejo, da gente ficar falando e falando por horas e horas e continuar tendo sempre o que falar. Eu preciso só ouvir tua voz e olhar nos teus olhos. Eu preciso só de um minuto.”
— Anne Sakamoto
©